TRATAMENTO FITOTERÁPICO: TUDO QUE VOCÊ PRECISA SABER

As vantagens e os  riscos

TRATAMENTO FITOTERÁPICO No Brasil o estudo das plantas em busca de compostos medicinais é muito pequena. Cerca de 8% da flora já foi estudadas, considerando que o país possui aproximadamente 100.000 espécies de vegetais diferentes. Por conta disso, muitas pessoas utilizam plantas medicinais sem ao menos saber se trazem risco à saúde. 


É preciso desmistificar o senso comum de que “tudo que é natural é bom”, pois existem muitas ervas que, quando ingeridas, podem até causar a morte.  Desta forma, assim como em situações envolvendo medicamentos não naturais, é estritamente necessário que se consulte um médico antes de usar qualquer orgânico ou fitoterápico.


 Existem inúmeros fatores de risco que devem ser levados em conta antes de usar este tipo de terapia. As plantas, mesmo com propriedade medicinais,  podem conter substâncias tóxicas, ajudando no combate a um mal, mas trazendo uma nova doença. 


Algumas ervas não devem ser utilizadas por mulheres grávidas ou por pessoas com hipertensão, por exemplo. Elas podem provocar reações alérgicas, podem estar contaminadas por agrotóxicos ou também vir a interferir em outras medicações, causando reações adversas. 


Por isso, é muito importante conversar com um médico antes de iniciar o uso de fitoterápicos.  Além disso, o tamanho da dose também deve ser discutido previamente: o efeito de uma planta pode fazer bem até determinada quantidade. Doses muito altas podem ser tóxicas. 


Alguns destes riscos podem ser minimizados quando se há o uso de medicamentos fitoterápicos. Por conta da necessidade de serem regulamentados pela Anvisa, os fabricantes tomam um cuidado maior tanto com o estudo dos efeitos colaterais das plantas, como também sobre a origem da matéria prima que utilizam. Porém, um aspecto negativo da fitoterapia é a demora para obtenção de resultados, que podem variar de semanas a meses.


Depois de consultado um médico e escolhido o fitoterápico ideal para o seu problema, é hora de conhecer as vantagens do uso desta terapia alternativa. A maior vantagem do uso de plantas medicinais é o baixo custo de obtenção. 
Você pode ter o vegetal em casa ou até mesmo começar a cultivá-lo para reduzir ainda mais os custos e ter certeza da origem e qualidade do seu produto. Além do fácil acesso, não é necessário receita médica para utilizar ervas, não é mesmo? 


Outra vantagem é o fato de que chás são mais saborosos do que alguns remédios e provocam um efeito mais rápido em males mais simples, como a má digestão.


Exemplos de ervas medicinais


A presença dos fitoterápicos é comum na culinária, como por exemplo o alho e cebola que utilizamos diariamente. Dessa forma, a introdução destes alimentos nas refeições pode ser feito sem grandes impactos ou rejeições.

Para emagrecer, o chá de hibisco, o chá verde e as sementes de chia são ótimos aliados, por promovem a saciedade e possuírem um efeito diurético. Se o seu objetivo é tratar a hipertensão, o manjericão, as folhas de amora, a graviola e o alho são opções viáveis. 

Abaixo você encontra uma lista com os principais males e algumas opções de plantas de tratamento. Apesar das inúmeras informações, lembre-se que a automedicação é uma prática perigosa. Consulte um médico sempre.

Mal a ser combatidoFitoterápicos indicados
InsôniaCamomila, Maracujá, Erva Cidreira e Valeriana 
Parar de fumarGinseng, Lobelia, Gengibre e Hortelã
Doenças respiratóriasAlecrim, Eucalipto, Romã e Poejo
Má digestãoAlcachofra, Boldo, Carqueja e Capim Santo
DepressãoMelissa, Passiflora, Guaraná e Kawa Kawa
PsoríaseÓleo de Prímula e Ômega 3
Prisão de Ventreagar-agar, carqueja, Jalapa e Zedoária
Problemas de memóriaLecitina de soja, Ginkgo biloba e Huperzine
Infecções em geralEquinácea, Unha de gato e Uva Ursi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *