Teorias das Ciências Administrativas

Teorias Administrativas

Inicialmente o foco dos administradores era simplesmente na produção, visando apenas, o lucro, sem pensar na qualidade de vida dos trabalhadores, com o passar dos tempos observou-se que com o estresse do trabalho forçado, a produtividade diminuía gradativamente, neste meio período surgiu os cientistas com suas terias organizacional e normativas.

É necessário que o administrador esteja inteirado das Teorias da Administração Criado pelos mais variados cientistas em épocas distintas e aplica-las nas situações corporativas do mundo moderno.

Os métodos utilizados em cada época visavam otimizar um sistema produtivo e operacional de forma que viesse a ter um custo benefício melhor, com produção em escala maior, mas sem perder o foco do trabalhador braçal.

Frederick Winslow Taylor, na Administração Científica (1903), propôs a racionalização do trabalho por meio do estudo dos tempos e movimentos, com os princípios: planejamento, preparo, execução, cargos, tarefa e padronização.

Já na teoria da burocracia (1909). O jurista e economista alemão Max Weber, focou na organização do setor produtivo por meio de normas mais rígidas e sensata, baseada na razão, formalizou os setores hierarquicamente e implantou a divisão do trabalho.

A administração científica é um modelo de administração criado pelo americano Frederick Winslow Taylor no fim do século XIX e início do século XX e que se baseou na aplicação de métodos científico na administração com o intuito de garantir o melhor custo/benefício aos sistemas produtivos.

Com principais características criada por Taylor que estavam baseadas principalmente no aumento da produtividade. Com métodos e sistemas propostos de racionalização do trabalho e disciplina do conhecimento operário, sendo este colocado sob o comando de uma gerência, também a seleção rigorosa dos trabalhadores mais aptos para realização de uma determinada tarefa, a fragmentação e hierarquização do trabalho.

Ainda nesta teoria era proposto incentivo salarial e prémio compatível com a produção.

Perspectiva futuras da administração

É importante ressaltar que as mudanças estão cada vez mais rápidas e que estas provocam alterações em todo ambiente global e isto também se insere nas organizações e principalmente em suas práticas administrativas.
Alguns fatores que afetaram  o  atual cenário global segundo (BERNARDES & MARCONDES, 2006) foram  desenvolvimento das tecnologias que na qual surgem novos produtos e serviços; a mudança de hábitos e até de cultura das populações frentes as tecnologias, ao mundo competitivo e mudanças climáticas e as facilidades nas comunicações e nos transportes que estreitam fronteiras tornando mais próximo o conceito de aldeia global, onde o sucesso de uns repercute de forma positiva ou negativa nos demais.
Diante destes fatores e muitos outros que nascem em consequência desta realidade a tarefa administrativa vem se tornando cada vez mais incerta e desafiadora, onde a visão do administrador deve estar dirigida não só dentro do seu ambiente nas suas tarefas rotineiras, mas também para o ambiente exterior, se antecipando às mudanças ao invés de esperar que elas venham para então reagir.

A Racionalização do trabalho nada mais é que a interação dos profissionais com a rotina de trabalho, realizando suas atribuições com dinâmica. Sejam em grandes montadoras ou em uma feira livre, por exemplo, deve-se racionalizar os movimentos, economizar tempo e material, otimizando assim, a qualidade dos serviços prestados e o produto final, tornando-se assim mais produtivos.

Por isso, surgiu a primeira grande iniciativa de racionalização da produção ficou conhecida como fordismo-taylorismo no início do século XX.

As principais características do taylorismo são:

-Separação entre gerência e execução;
– Especialização das atividades;
– Padronização da produção;
– Remuneração por desempenho.

 Para atender a um mercado mais globalizado, exigente e segmentado foram criadas mais flexíveis de organização da produção dentre as quais destaca-se o Toyotismo.

Características:

– Aperfeiçoamento da linha de montagem por meio da esteira (semi-automatização);
– Produção e consumo em massa;
– Baixa exigência de qualificação profissional;
– Operário funcionava como uma peça de máquina e realizavam uma única tarefa.

Além disso, a descentralização enfraqueceu a organização dos trabalhadores visto que o poder de barganha de uma empresa centralizada era muito maior do que neste modelo no qual os trabalhadores ficam dispersos em várias ilhas de produção espalhadas mundo afora.

Então, se acrescentou algumas Características:

Descentralização da produção;
– Articulação entre as ilhas de produção (just-in-time)
– Primazia pela qualidade;
– Customização das massas;
– Flexibilidade do fluxo de produção e modelos dos produtos;
– Organização da produção e entrega rápida ( no momento e na quantidade exata);
– Diminuição do desperdício;
– Número reduzido de trabalhadores;
– Funções polivalentes (multitarefas) e alta especialização.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *