Surto de Sarampo: Saiba mais sobre este assunto

Ao menos três estados brasileiros foram confirmados com surtos de sarampo neste ano de 2018, sendo eles Amazonas, Roraima e Rio Grande do Sul.

Os estados de Amazonas e Roraima já registraram juntos quase 500 casos confirmados da doença e mais de 1,5 mil em casos suspeitos encontra-se em investigação. Já no Rio Grande do Sul, até o momento, foram confirmados 6 casos de sarampo. Outro estado, que embora ainda não tenha sido decretado o surto, já consta 4 casos é o Rio de Janeiro. Dos casos suspeitos 1 já apesentou resultado positivo no exame preliminar.

O sarampo é uma doença que já havia sido erradica no Brasil, no entanto o baixo índice de adesão às vacinas obrigatórias tem feito que novos casos da doença reapareçam.

O sarampo

O sarampo é uma doença altamente contagiosa e pode ser adquirida através de um vírus espalhado pelo ar. A doença pode se tornar ainda mais grave em crianças desnutridas ou menores de 1 ano.

O surgimento da doença pode variar em função do tempo, isto é no final do inverno para o início da primavera a tendência é aumentar o número de casos. No Brasil ´por ser um país de clima tropical é mais comum o índice de contagio subir após o período das chuvas.

Sintomas de sarampo

Atentar-se aos sintomas do sarampo é uma das principais medidas para o tratamento, portanto é preciso observar e identifica-los para buscar ajuda médica antes que a situação se agrave

Os principais sintomas do sarampo são:

  • Febre acima de 38,5°C;

  • Erupções na pele;

  • Tosse;

  • Coriza;

  • Conjuntivite;

  • Manchas Brancas na mucosa bucal.

Como se prevenir

A principal forma de prevenção contra o sarampo é a vacina. Atualmente a vacina é dada na criança aos 12 meses (tríplice) e uma segunda dose aos 15 meses.

As pessoas que suspeitarem de ter contraído a doença, não podem tomar a vacina, assim como as gestantes e crianças menores de 6 meses.

As mulheres que estão planejando ter filhos devem se certificar de que a vacina ainda está dentro da validade e se proteger. Caso não tenham a carteira de vacinação poderão optar por realizar um exame de sangue que apresentará o resultado de imunidade positivo ou negativo.

Vale lembrar que para haver a imunização é preciso tomar a vacina com pelo menos 4 semanas antes de engravidar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *