Que Profissão é a mais importante?

Processo relativo à arte de escrever: dissertação, narração e descrição. Capitulo 1

É hora de recreio. Um grupinho da quinta série mastiga seus lanches, conversando entre uma e outra dentada. Tuca, a menina de transas, contava da festa de seu aniversário.

– Pena que não deu pra trazer bolo pra você! Minha mãe fez um bolo que não está no Gibi… O Paulinho, que tem a sorte de morar perto de casa, foi “ na festa”. Não “ tava legal Paulinho?”

Paulinho, gordinho e com a boca cheia , acenou que sim, Estava mais interessado na goiabada que comia do que no bolo no bolo que já havia comido…

– Bacana -continuou Tuca – foi que recebi visita até de gente que mora no interior. Só teve um negócio chato… A festa estava no mais quente, quando minha mãe veio me dizer que o telefone tinha tocado e que meu pai tinha de sair para atender a um doente. Chato ser filho de pai médico, nessas horas… Mas, sabem: é muito bacana também a gente saber que a saúde das pessoas ṕe protegida por meu pai! De certa forma, é como se as pessoas dependesse dele para viver! Acho que médico é a profissão mais importante que existe!

– Eu não acho não, Nizinho. Acho que a profissão do meu pai é mais importante ainda do que a de um médico. Sabem, meu pai já salvou vidas de muitas e muitas pessoas… E não foi com esse negócio de receitar remédios, não senhores… Meu pai arrisca a própria vida para salvar a vida de outras pessoas. E muitas vezes o meu pai e os colegas dele aparecem nos jornais e foram chamados de heróis! Quando uma pessoas está em perigo de vida, seja no fogo, seja na água, em qualquer lugar, meu pai nem se lembra do perigo que vai correr. Só pensa na salvação dos outros… Vocês sabem: meu pai é bombeiro. E com muito orgulho, tá?

– É.. Mas quando seu pai se machuca e fica doente ou se queima, quem é que vai tratar dele? – Pergunta vitoriosamente Tuca.

Plínio ouvia tudo calado. Sente vontade de falar.

– Bem! Seu pai- diz para Tuca – para ser médico teve de estudar. O seu também, Nizinho. Como vocês estão vendo é muito fácil: todos mundo precisa estudar, pois sem estudar ninguém é nada na vida. Estou ou não certo?

Vitória, filho de lavradores não gostou do que Plínio havia falado.

– Essa não… Os Índios vivem sem saber ler e escrever. Leia capítulo 2

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*