Conheça os novos ministros do presidente Temer

Abolição do Ministério da Cultura causa revolta nas redes

Com a aprovação do impeachment pelo Senado na última quinta-feira (12/05), a presidente Dilma Rousseff foi afastada durante 180 dias para julgamento. Assim, o cargo está interinamente ocupado pelo vice-presidente Michel Temer (PMDB-SP). E já assumiu fazendo mudanças significativas na estrutura do governo. Uma das primeiras medidas do novo governante foi reduzir os ministérios de 32 para 23.

 

 

Abolição do Ministério da Cultura causa revolta nas redes

Essa ação, que era uma das demandas da sociedade para reduzir gastos, no entanto, dividiu opiniões. Nas redes sociais, alguns reclamam da extinção do Ministério da Cultura. Agora, esse setor passa a ser de responsabilidade do Ministério da Educação e Cultura (MEC).
Outro órgão abolido foi a Controladoria-Geral da União. No seu lugar, surgiu o Ministério da Fiscalização, Transparência e Controle. Porém, no caminho contrário à supressão de pastas, foi recriado o Gabinete de Segurança Institucional (GSI). O órgão tem como atribuição dar assistência direta ao presidente.

Temer afirma que fará “governo da salvação nacional”

Durante sua posse, o presidente Michel Temer fez um discurso em que mencionou que seu governo será da salvação nacional. Com isso, colocará em prática ações para estimular a economia do país.
– Quanto mais rápido equilibrarmos as contas públicas, mais rápido podemos retomar o crescimento, argumentou Temer.
O presidente em exercício ainda falou sobre revisão do Pacto Federativo e medidas para reduzir o desemprego. Ele ainda acredita que, até as Olimpíadas Rio 2016, será possível realizar melhorias. Com isso, o mundo poderá perceber a recuperação do crescimento do país e voltar a confiar em seu futuro.
– Milhões de pessoas assistirão aos jogos. Jornalistas de vários países estarão no Brasil para falar de assuntos muito além dos esportes. As pautas devem estar voltadas para as condições políticas e econômicas do país, disse Temer.

Nove ministros de Temer são citados na Lava Jato

Muitos eleitores criticaram as escolhas de Temer para ocupar os ministérios. Dentre os nomeados, não há nenhuma mulher nem negro. E esse detalhe foi percebido por muita gente, que espalhou a notícia pelas redes sociais.
Outro ponto é que, dos 23 nomes indicados, nove estão sendo citados de alguma forma na Operação Lava Jato, que investiga atos de corrupção na Petrobras. Isso significa que, efetivamente, o novo governo não representará as mudanças que o povo tanto pediu nas ruas.

Conheça a lista completa com os novos ministros:

  1. Ministro-chefe da Casa Civil: Eliseu Padilha
    Ministro-chefe da Secretaria de Governo: Geddel Vieira Lima
    Ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI): Sérgio Etchegoyen
    Ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão: Romero Jucá
    Ministro da Fazenda: Henrique Meirelles
    Ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações: Gilberto Kassab
    Ministro da Defesa: Raul Jungmann
    Ministro das Cidades: Bruno Araújo
    Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento: Blairo Maggi
    Ministro da Educação e Cultura: Mendonça Filho
    Ministro do Desenvolvimento Social e Agrário: Osmar Terra
    Ministro da Saúde: Ricardo Barros
    Ministro do Meio Ambiente: José Sarney Filho
    Ministro do Turismo: Henrique Alves
    Ministro do Esporte: Leonardo Picciani
    Ministro das Relações Exteriores: José Serra
    Ministro do Trabalho: Ronaldo Nogueira de Oliveira
    Ministro da Justiça e Cidadania: Alexandre de Moraes
    Ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil: Mauricio Quintella
    Ministro da Fiscalização, Transparência e Controle (ex-CGU): Fabiano Augusto Martins Silveira
    Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio: Pastor Marcos Pereira
    Ministro da Integração Nacional: Helder Barbalho