Maia aumenta tom das críticas ao Governo

Presidente da Câmara Rodrigo Maia diz que aliados do governo “não podem ficar levando facada nas costas”

Z

Presidente da Câmara Rodrigo Maia diz que aliados do governo “não podem ficar levando facada nas costas”

Foto: André Duzek/Estadão

O presidente da Câmara Rodrigo Maia elevou o nível das críticas ao governo. Nesta quarta-feira (20), ele cobrou “mais respeito” do Palácio do Planalto e disse que aliados “não podem ficar levando facada nas costas”.

A crítica veio em resposta à filiação do senador Fernando Bezerra (PE), ex-PSB, ao PMDB. O DEM, partido de Maia, estava negociando a migração do político à sua sigla e viu a movimentação do partido do governo como “fogo amigo”. Peemedebistas como os ministros Moreira Franco e Eliseu Padilha, além do presidente da sigla Romero Jucá, foram alguns alvos do presidente da Câmara.

“Quando a gente faz um acordo, tem de cumprir a palavra”, disse o presidente da Câmara. Ele também fez referências diretas a Temer. “Eu já avisei o presidente, isso causou muito desconforto dentro da bancada”, criticou.

PT INICIA PROCESSO PARA EXPULSAR ANTÔNIO PALOCCI

críticas duras

Rodrigo Maia, que está presidindo o país interinamente devido à viagem de Temer ao exterior, não mediu palavras para mostrar seu descontentamento.

“A gente não pode ficar levando facada nas costas do PMDB”, “Se é assim que eles querem tratar um aliado, eu não sei o que é um adversário”, “Não virou rebelião ainda, mas há revolta”. Essas foram algumas das frases mais duras que direcionou a Temer e seus aliados.[ads1]

Planalto em alerta

O Palácio do Planalto viu com desconfiança as críticas do presidente da Câmara. O político do DEM, que preside a Câmara Federal, tem sido um dos aliados mais fortes e importantes do governo. Uma mudança de posição causaria graves danos a Temer.

Michel Temer também se irritou com o fato de Maia ter recebido, no Planalto, artistas partidários do “Fora Temer”, enquanto o presidente estava em Nova York.

Apesar dos desentendimentos, a postura do governo é não revidar e evitar atritos.

denúncia e votações à vista

As críticas do aliado vieram em um momento delicado para o governo. O presidente Michel Temer enfrentará sua segunda denúncia criminal na Câmara. De acordo com o presidente da Câmara, o trâmite será feito com a mesma imparcialidade do primeiro, apesar das recentes rusgas. A expectativa é que se vote o processo em outubro.

Além disso, o Planalto também tem como objetivo retomar a discussão da reforma da Previdência, que tem altos índices de rejeição na sociedade. A perda de um aliado que comanda a Câmara dos Deputados seria desastrosa para o governo.[ads2]

Deixe uma resposta