Doria e Alckmin tentar mostrar união em convenção do PSDB paulista

Prefeito João Doria e o governador Geraldo Alckmin estavam em “guerra fria” sobre disputa presidenciável de 2018

Prefeito João Doria e o governador Geraldo Alckmin estavam em “guerra fria” sobre disputa presidenciável de 2018

Foto: Rafael Roncato/Folhapress

 

No último domingo (29), Doria e  Alckmin apareceram juntos na convenção do PSDB paulista. O evento elegeu a nova direção do partido em SP e prefeito e governador tomaram café juntos para demonstrar unidade e sintonia.

 

O encontro acontece após atritos entre os grupos políticos dos dois governantes devido à disputa presidencial do ano que vem. Tanto Doria quanto Alckmin supostamente pretendem se candidatar pelo PSDB, o que tem gerado conflitos no partido.

 

“Temos grandes desafios e reformas para retomar o crescimento. O que interessa é emprego, renda e qualidade de vida para a população”, afirmou o governador de São Paulo. “Estamos unidos para servir o Brasil”, disse em tom de pacificação.

 

“O PSDB unido vai marchar em São Paulo, no Estado e no Brasil, para defender os brasileiros, o emprego e o crescimento econômico e, nisso, o governador Geraldo Alckmin e eu estaremos juntos, ao lado de todos do PSDB”, afirmou o prefeito.

 

tranquilidade

O momento é de mais tranquilidade entre os dois tucanos. Depois de atritos devido à vontade de Doria de se candidatar, tomando o espaço de seu apoiador e aliado, o clima esfriou.

 

Aliados do governador paulista se mostram mais confiantes na sua candidatura. Após queda nas pesquisas, o prefeito e seus aliados estão discutindo sobre a possibilidade de se manter na prefeitura ou se candidatar ao governo de São Paulo em 2018. Neste caso, terá que enfrentar a possibilidade de concorrer com José Serra dentro do PSDB. Procurado para falar sobre o assunto, Serra negou a possibilidade de se candidatar para governador.

 

pesquisas

As pesquisas recentes indicam que João Doria e Alckmin estão tecnicamente empatados nas intenções de voto para 2018. Porém, a análise que se faz é de que o governador tem uma imagem mais sólida perante à população, além de ser mais forte dentro do partido.

 

O “outsider” vem caindo nas pesquisas sobre sua administração na cidade de São Paulo. Sua aprovação caiu, a desaprovação aumentou e suas viagens pelo país como pré-candidato não pegaram bem para boa parte dos paulistanos.

 

protesto solitário

Durante o cafezinho dos tucanos paulistas, houve gritos de protesto de um professor que se identificou como Wilian Silva. “O santo e o farsante”, manifestou o homem, acusando o governador e o prefeito respectivamente.