Desemprego cai no país puxado pela informalidade

Taxa de desemprego atinge 13,3 milhões de brasileiros. Trabalho na informalidade tem reduzido índice

Taxa de desemprego atinge 13,3 milhões de brasileiros. Trabalho na informalidade tem reduzido índice

Foto: Arquivo Agência Brasil

 

A taxa de desemprego caiu para 12,8% no período de maio a julho deste ano. A redução foi de 0,8% comparado ao número do primeiro trimestre. Apesar da melhora, foi a informalidade a responsável por fazer o índice cair no país.

 

Cerca de 13,3 milhões de brasileiros estão sendo atingidos pelo desemprego. Os números foram divulgados ontem (31) na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Continua (Pnad Contínua) realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A população ocupada em julho era de 90,7 milhões de pessoas, tendo um aumento de 1,6% em relação ao primeiro trimestre do ano, devido ao crescimento da informalidade.

[ads1]

informalidade “puxa” os números

Segundo o IBGE, foi o trabalho informal que melhorou os números de desemprego do país. Grande parte dos 721 mil brasileiros que deixaram os índices do não emprego o fizeram por meio da informalidade.

 

“O aumento aconteceu, principalmente, entre os empregados sem carteira assinada, contingente que respondeu por mais 468 mil novos empregos, e entre os trabalhadores por conta própria, que respondeu por mais de 351 mil pessoas no mercado”, afirmou o IBGE.

 

“Essa melhora se deu pelo aumento de postos informais de trabalho. Cresce os sem carteira e conta própria. Isso é desfavorável para o mercado porque o emprego sem carteira não dá garantias e seguranças ao trabalhador”, explicou o coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo.

 

queda da carteira assinada

Apesar de o emprego formal, com carteira assinada, ter se mantido estável em comparação ao primeiro trimestre (33,3 milhões), o número cai se comparado ao ano passado.

 

Se comparado a 2016, o trabalho com carteira assinada recuou 3,2%, o que equivale a 1,1 milhão de pessoas a menos trabalhando sob tutela da CLT.[ads2]