Comércio Exterior – Evolução do Comércio Internacional

Introdução ao Comércio Exterior. Evolução do Comércio Internacional

No século XVI, o poder econômico não estava concentrado apenas nas províncias onde se matinha os seus negócios financeiro comercial. Comerciantes de várias regiões traziam novidades comerciais e informações dos últimos acontecimentos internacional.

Estas práticas dos ambulantes, fomentava o mercado comercial e conseguintemente onde se ajuntavam para a negociação, cidades eram levantadas.

As novidades trazidas, eram vistas com bons olhos pelos negociantes e que se aglomeravam aos redores do grandes castelos para negociar produtos diversificados. Estes mesmo negociantes que vinham de outras região, serviam como uma especie de informantes dos últimos acontecimentos do exterior.

Com a expansão do comércio, o sistema feudal foi se enfraquecendo e os artesãos tiveram a oportunidade assumir o seu oficio de forma mais independente.

Após a internacionalização da economia de forma global. A globalização comercial expandiu e despertou o interesse dos países em proteger os seus produtos internos.

Com o acontecimento da eclosão da primeira gerra mundial, países foram aniquilados e o cous econômico se instalou.

Embora esforços tenho sido emprenhado para a reconstrução das economias, as barreira protecionistas, levantaram Guerras Comercias. Estados Unidas elevou de 32% para 52% as tarifas para importação de produtos, e com isso, países retaliaram com medidas mais rígidas o que prejudicou e muito a economia norte-americana.

Na segunda Guerra mundial os países tomaram um apostura diferente e se uniram para buscar apoio externo.

Acordos sobre tarifas e Comércio (GATT).

23 Países assinaram o acordo “GATT”, detre estes o Brasil, Birmânia, Chile, China, Cuba, Índia…

Acreditava-se que com estas medidas promoveria a liberalização multilaterais e evitaria outros conflitos que levaria a uma nova guerra mundial. – Uma especie de autonomia comercial entre os países.

Após muita negociação, o GATT conseguiu reduzir as tarifas para 5%. Posteriormente foi-se discutido as barreira comerciais, uma regulamentação para que os produtos internos ficassem protegidos de ameaças externas que possam aniquilar os produtos domésticos.

Também estabeleceu regras para que o tratamento seja o mesmo entre os países menos ou mais favorecidos, de forma que a mesma tarifas devam ser aplicadas aos membros deste grupo.

Organização Mundial do Comércio (OMC).

Na negociação no Uruguai (1986/93), houve a criação da OMC.

Ao fim da Guerra Fria e perda da predominância norte-americana, surgiu um novo modelo de relações de comércio multipolar, contrário ao modelo anterior controlado pelo Estados Unidos.

O GATT, agora, passou a ser chamado de “Organização Mundial do Comércio” com objetivos básico:

Promover o desenvolvimento sustentável no domínio do comércio internacional, mediante a proteção do meio ambiente; e

Apoiar os países em vias de desenvolvimento e simultaneamente construir um quadro institucionalmente comum.

Neste sistema da OMC, membros se reúnem a cada 2 anos para tratar de assuntos relativos aos acordos comerciais;

Revisão de tarifas e barreiras não tarifarias;

Direitos de propriedade intelectual relacionados ao comércio ente outras práticas protecionistas e tarifarias.

REFERÊNCIA BIBLIOGRAFIA:

PASSANEZI, P.M.S. Comércio Internacional e Principais Instituições. In: CARMO, E. C.; MARIANO, J.(Orgs) Economia internacional. 3.ed. São Paulo. Saraiva, 2016. p. 43- 53.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *